quarta-feira, agosto 23

Como um verdadeiro líder é realmente um servo


Novamente a história de Moisés se torna um exemplo para nós. Ele foi um homem que se tornou um canal para a autoridade de Deus de uma maneira notável. Ele provou ser quase completamente obediente em seu ministério. Mas, uma vez, apenas uma vez, ele perdeu seu controle e escolheu usar sua própria autoridade para satisfazer às necessidades do povo. Em vez de, obedientemente, falar à rocha como Jeová o tinha instruído, Moisés iradamente bateu na rocha com o seu cajado. Deus o honrou em sua posição e derramou água da rocha (Números 20.11). Entretanto, este ato muito custou a Moisés. Através deste único uso da autoridade humana, natural, sua entrada na Terra de Canaã lhe foi negada. Este acontecimento demonstra claramente como Deus considera importante a distinção entre estes dois tipos de autoridade.

Todos os servos de Deus deveriam colocar isso no coração. Quando Deus os usa e eles são elevados aos olhos do povo, devem ser cuidadosos para manifestar apenas a autoridade do Espírito Santo que flui através deles. Qualquer autoridade natural ou posicional é desqualificada, mesmo que pareça estar conseguindo atingir os objetivos desejados. Mesmo que a vontade de Deus pareça bem clara para os líderes. Qualquer uso da autoridade natural, cargo, dom, ministério, à natureza carnal, não produzirá resultados espirituais. De fato, não pode. A Escritura diz: “Aquilo que é torto não se pode endireitar” (Eclesiastes 1.15). Nada que comece na esfera terrena pode produzir fruto espiritual.

Este é, então, o modo de Deus. O homem ou a mulher que deseja agradar a Deus deve se tornar um servo. Devemos nos humilhar diante do Senhor e dos nossos irmãos em Cristo, em vez de agir à maneira do mundo. Ao invés de procurar a exaltação aos olhos dos homens para podermos controlá-los e desse modo “ajudá-los” nos caminhos de Deus, devemos escolher sermos modestos. Desta forma, apenas aqueles que estão realmente querendo ouvir a voz de Deus irão ouvi-Lo falar através de nós e serão obedientes. Este foi exatamente o modo como Nosso Senhor Jesus Cristo viveu enquanto esteve na Terra. Não apenas Ele tinha o direito e a autoridade para exigir obediência, mas Ele tinha o poder para forçar as coisas a andar ao seu modo. Não obstante, em vez de usar este poder, nós lemos: “Quem, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus, antes a Si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens, e, reconhecido em figura humana, a Si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz” (Filipenses 2.5-8). Este é o caminho. Ele é uma Pessoa Maravilhosa. Que nós possamos penetrar na completa experiência de Sua realidade.

sábado, agosto 19

A cura de uma mulher enferma

Acerca da passagem cito em Lucas 8:40-46


Pensamento: A mulher à mostra, vivia numa situação de impureza constante. De acordo com a lei, ninguém podia tocar nela, senão a pessoa se tornava impura (Lev 15:25-31). Em doze anos ninguém conseguiu curá-la. Ela devia sentir profunda vergonha e desespero. 

Ninguém queria chegar perto e ninguém podia ajudá-la. Isso talvez explica porque ela chegou sorrateiramente para ver se tocando em Jesus ela podia ser curada. Jesus parou a multidão e perguntou quem havia o tocado porque aquele toque fora diferente. Não foi uma pessoa qualquer encostando. Foi o toque do desespero e de profunda necessidade e Jesus sentiu isso. O intuito de Jesus não era de envergonhá-la, mas de ajudá-la pessoalmente. 

Isso é uma boa notícia para pessoas como aquela mãe temendo a notícia do médico de que talvez ela esteja com AIDS. Isso é boa nova para aquele rapaz lutando com desejos dos quais ele sente profunda vergonha. Isso é o Evangelho para todas as pessoas que aguardam na fila das causas perdidas da vida. Jesus veio aqui especialmente para você. Ele pára tudo só por causa de você. 

E basta você crer nele que poder sairá do trono de Deus para lhe ajudar. Confie em Jesus e não tenha medo de chegar perto dele. É por isso que ele fica tão perto de nós.

* Fonte: Francisca Araujo apud Max Lucado

segunda-feira, abril 10

O Vaso do Oleiro

O barro vem do pó da terra e o vaso é moldado do barro e Adão foi moldado do barro (Eclesiastes 12:7)

A mensagem que hoje vou expor, traz a história do vaso, sua trajetória de simples massa crua até ser um belo vaso de adorno, útil numa casa ou em outro lugar que ele possa ser usado.

Muitos podem perguntar: O que a passagem de 'Eclesiastes', tem a ver com este artigo: o vaso e o oleiro?. Leia até o final e você entenderá. Mas lembre disso: "A palavra de Deus só pode ser descoberta, porque estavam 'centrados' em 'vasos de barro'.

Na 1ª fase :
Nesta fase, o vaso é apenas uma massa, seja ela de barro, argila ou outro material, junta-se água e mexe-se até adquirir o ponto certo, depois que já está pronta, ela é colocada em moldes e ficam secando de um dia para o outro. No outro dia, se a massa estiver completamente seca, então é retirada da forma para prosseguir a etapa seguinte, muitos vasos ao serem desenformados quebram-se e voltam à ser massa.

Na 2º fase:
O vaso vai para a seção de rebarbas e com uma faca fina e afiada é retirado todo o excesso de massa que há em volta do vaso, na borda e no fundo, alguns vasos não passam desta seção, abrem rachaduras e vão para serem massa novamente.

Na 3º fase:
Os vasos são encaminhados para a seção de esponja, eles são lavados com uma esponja e um balde de água, esfrega-se as peças delicadamente para tirar qualquer excesso de massa que possa ter sobrado da secção anterior, o vaso tem que ficar completamente liso, nesse processo muitos vasos abrem furos e são encaminhados à secção de colagem para se tapar os furos e depois que secam voltam para à secção de esponja.